03 fevereiro 2011

As 10 Florestas mais Ameaçadas do Mundo

O Ano Internacional das Florestas foi lançado oficialmente ontem (02/02/2011) pela ONU. Para enfatizar a data e alertar para a importância da preservação, a ONG Conservação Internacional divulga as principais florestas que correm o riscos de desaparecer do mapa.

"Cobrem apenas 30% da área do planeta. Ainda assim, abrigam 80% da biodiversidade terrestre mundial. 
As florestas também são directamente importantes para a sobrevivência dos humanos. Estima-se que 1,6 bilião de pessoas dependem delas para garantir o seu sustento. Além disso, muitas das necessidades mais básicas para a sobrevivência do homem na Terra vêm das interações entre as espécies de plantas e animais com os ecossistemas, como a polinização de safras agrícolas, os solos saudáveis, os remédios, o ar puro e a água doce. 
Apesar de terem tanta importância, a devastação vem destruindo as florestas. Com o objectivo de alertar todo o mundo para a necessidade de conservá-las, a ONU declarou 2011 como o Ano Internacional das Florestas, que é inaugurado oficialmente hoje, dia 2 de Fevereiro de 2011, em Nova York. A ONG CI - Conservação Internacional aproveita a ocasião para divulgar os dez hotspots florestais mais ameaçados de extinção do mundo. Para ser considerado um hotspot, a área deve ter riqueza biológica extrema, índice elevado de espécies únicas de animais e plantas, além de estar altamente degradada, com grande risco de desaparecer. No caso da lista de hotspots florestais, a CI considerou florestas que já perderam 90% ou mais de sua cobertura original e que abrigam, cada uma, pelo menos 1.500 espécies de plantas endémicas (que só existem naquele local). 

A lista inclui florestas no sudeste asiático, na Nova Zelândia, nas montanhas do centro-sul da China, na região costeira da África Oriental e na ilha de Madagáscar." 

Segue em baixo as 10 Florestas mais ameaçadas do Mundo:

1. REGIÕES DA INDO-BIRMÂNIA (Ásia-Pacífico)
Habitat remanescente: 5%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"suas planícies aluviais são ameaçadas pelo cultivo de arroz, mangues foram convertidos em reservatórios de aquicultura de camarão e a pesca excessiva e o uso de técnicas de pesca destrutiva são problemas graves para os ecossistemas costeiros e de água doce da região. Além disso, alguns rios foram represados para gerar eletricidade, o que causou o alagamento de bancos de areia e outros hábitats que normalmente seriam expostos durante a estação seca, importantes para os ninhos de aves e tartarugas. Os rios e pântanos desse hotspot também são importantes para a conservação de peixes de água doce, incluindo alguns dos maiores peixes de água doce do mundo. O Lago Tonle Sap e o Rio Mekong são hábitats para a lampreia gigante Mekong e a carpa dourada de Jullien. Apenas 5% do habitat original ainda está lá."



2. NOVA ZELÂNDIA (Oceania)
Habitat remanescente: 5%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"Terra de paisagens variadas com grandes índices de espécies endêmicas, incluindo o kiwi, seu representante mais famoso. Neste arquipélago montanhoso dominado pelas florestas temperadas, nenhum dos mamíferos, anfíbios ou répteis é encontrado em outro lugar do mundo. As espécies invasoras, como as que chegaram no século XIX com os europeus, são uma série ameaça à flora e à fauna das ilhas. Foram levadas ao arquipélago 34 espécies exóticas de mamíferos (como gambás, coelhos, gatos, cabras e furões) e centenas de espécies de ervas daninhas. Nos últimos 200 anos, somando-se o impacto da caça e da destruição de hábitats, houve extinção de inúmeras espécies de aves, invertebrados, plantas e de um morcego e um peixe endêmicos. A drenagem de pântanos também é um problema-chave. Há apenas 5% de remanescentes do hábitat original do arquipélago"




3. SUNDA (Ásia-Pacífico)
Habitat remanescente: 7%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"Esta floresta cobre a metade ocidental do arquipélago Indo-Maláio, um arco de cerca de 17 mil ilhas equatoriais, dominado pelas duas maiores ilhas do mundo: Boréo e Sumatra. Suas espetaculares flora e fauna estão sucumbindo devido ao crescimento explosivo da indústria florestal e do comércio internacional de animais que consome tigres, macacos e espécies de tartarugas para alimentos e remédios em outros países. Populações endêmicas de orangotangos estão em dramático declínio. Outros fatores que levam à degradação são a produção de borracha, óleo de dendê e celulose. Em Sumatra, o corte e a extração ilegal de madeira - e outros produtos florestais - abastecem a alta demanda da China, América do Norte, Europa e Japão. Só 7% da extensão original da floresta permanece mais ou menos intactos."




4. FILIPINAS (Ásia-Pacífico)
Habitat remanescente: 7%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"É considerado um dos países mais ricos em biodiversidade do mundo. Diversas espécies endêmicas estão confinadas a fragmentos de florestas que cobrem apenas 7% da extensão original do hotspot, que abrange mais de 7.100 ilhas. Ocorrem só lá cerca de seis mil espécies de plantas endêmicas e diversas espécies de aves, como a águia das Filipinas (Pithecophaga jefferyi), a segunda maior águia do mundo. Outro exemplo é o sapo voador pantera (Rhacophorus pardalis), que passou por diversas adaptações para planar, como as abas extras na pele e as membranas entre os dedos. Toda a riqueza está ameaçada pela atividade madeireira. Os poucos remanescentes também são dizimados pela agricultura e para acomodar as necessidades do alto crescimento populacional. O sustento de cerca de 80 milhões de pessoas depende principalmente de recursos naturais provenientes das florestas."




5. MATA ATLÂNTICA (América do Sul)
Habitat remanescente: 8%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"Estende-se por toda a costa atlântica brasileira, e por para partes do Paraguai, Argentina e Uruguai, incluindo também ilhas oceânicas e o arquipélago de Fernando de Noronha. O bioma 20 mil espécies de plantas, sendo 40% delas endêmicas. Mais de duas dúzias de espécies de vertebrados, como os leões-marinhos e seis espécies de aves de uma pequena faixa no Nordeste, estão ameaçados de extinção, listadas como “criticamente em perigo”. A região é desmatada há centenas de anos, por causa do ciclo da cana-de-açúcar, das plantações de café, e, mais recentemente, por conta da crescente urbanização e industrialização do Rio de Janeiro e de São Paulo. O suprimento de água doce desse remanescente florestal abastece mais de 100 milhões de pessoas, a indústria têxtil, agricultura, fazendas de gado e atividade madeireira da região. Sobrou apenas 10% da floresta original."




6. MONTANHAS DO CENTRO-SUL DA CHINA (Ásia)
Habitat remanescente: 8%
Tipo de Vegetação: Florestas Coníferas temperadas


"Abrigam uma ampla gama de hábitats incluindo a flora temperada com a maior taxa de endemismo no mundo. O ameaçado panda gigante (Ailuropoda melanoleuca), quase totalmente restrito a essas pequenas florestas, é a bandeira da conservação da região. Essas montanhas também alimentam a maioria dos sistemas hídricos da Ásia, incluindo diversas ramificações do rio Yangtze. As atividades ilegais de caça, coleta de lenha e pastagem são algumas das principais ameaças à biodiversidade da região. A construção da maior barragem do mundo, a de Três Gargantas, no rio Yangtze, ameaça a biodiversidade da área. Apesar disso, a construção de barragens está sendo planejada em todos os rios principais da floresta, o que deve afetar os ecossistemas e a subsistência de milhões de pessoas. Apenas cerca de 8% da extensão original do hotspot permanece inalterado."




7. PROVÍNCIA FLORÍSTICA DA CALIFÓRNIA (América do Norte)
Habitat remanescente: 10%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais secas


"É uma zona de clima mediterrâneo com altos índices de plantas endêmicas. É o lar da sequoia gigante, o maior organismo vivo do planeta, e alguns dos últimos condores da Califórnia, a maior ave da América do Norte. Também é o local de maior reprodução de aves dos Estados Unidos. Diversas espécies de grandes mamíferos da região estão extintas, incluindo o urso cinzento (Ursus arctos), que aparece na bandeira da Califórnia e é símbolo do estado há mais de 150 anos. A maior ameaça vem da destruição causada pela agricultura comercial, que gera metade de todos os produtos agrícolas dos EUA. O hotspot também corre risco com a expansão de áreas urbanas, poluição e construção de estradas, fatores que tornaram a Califórnia um dos quatro estados mais degradados do país. Hoje resta cerca de 10% da vegetação original."




8. FLORESTAS COSTEIRAS DA ÁFRICA ORIENTAL (África)
Habitat remanescente: 10%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"Apesar de pequenos e fragmentados, elas contêm altos níveis de biodiversidade. Lá são encontrados cerca de 200 mamíferos, sendo 11 endêmicos, entre eles o musaranho-elefante (Rhynchocyon chrysopygus). Os primatas são espécies-símbolo desse hotspot, incluindo três espécies de macacos endêmicos, duas delas encontradas ao longo do rio Tana, que corta o Quênia Central. Além disso, as 40 mil variedades cultivadas da violeta africana, que movimenta US$100 milhões anualmente no comércio global de folhagens, são derivadas de um punhado de espécies encontradas nas florestas costeiras da Tanzânia e do Quênia. O risco de extinção das Florestas Costeiras da África Oriental ocorre por causa da expansão agrícola e das fazendas comerciais, que consomem os recursos naturais da região. Resta 10% das florestas originais."




9. MADAGÁSCAR E ILHAS DO OCEANO ÍNDICO (África)
Habitat remanescente: 10%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas


"Trata-se de um hotspot de exemplo da evolução de espécies em isolamento. Apesar de estarem próximas da África, as ilhas não compartilham qualquer grupo de animais do continente e contêm uma exuberante coleção única de espécies. O hotspot possui oito famílias de plantas, quatro de aves e cinco de primatas que não existem em nenhum outro lugar. As mais de 50 espécies de lêmures de Madagascar são os símbolos para a conservação da ilha, apesar de diversas delas já estarem em extinção. É uma das áreas mais prejudicadas economicamente no mundo, com um rápido crescimento populacional que pressiona o ambiente natural. Ameaças crescentes são a agricultura, a caça, a mineração e a extração não sustentável de madeira. A preservação dos 10% de hábitat original restantes é importante, uma vez que metade da população não tem acesso adequado à água doce."




10. FLORESTAS DE AFROMONTANE (África Oriental)
Habitat remanescente: 11%
Tipo de Vegetação: Florestas latifoliadas tropicais e/ou subtropicais húmidas; Savanas e Vegetações de Montanha


"Se concentra nas montanhas distribuídas ao longo da extremidade oriental da África, desde a Arábia Saudita ao norte até o Zimbábue ao sul. Apesar de geograficamente dispersas, as montanhas têm flora extraordinariamente similar. O gênero de árvore mais frequente é o Podocarpus. Uma zona de bambu é normalmente encontrada entre as altitudes de dois e três mil metros, acima da qual existe uma zona de floresta Hagenia, até uma altitude de 3.600 metros. O Vale do Rift abriga mais mamíferos, aves e anfíbios endêmicos do que qualquer outra região da África. Devido aos grandes lagos da região, há 617 espécies endêmicas peixes de água doce. A principal ameaça a essas florestas é a expansão da agricultura, especialmente com grandes plantações de banana, feijão e chá. O crescente mercado de carne, que coincide com o aumento da população, também poe em risco a região, com apenas 10% de seu hábitat original remanescente."


3 comentários:

  1. Já conhecia grande parte das situações relatadas neste post, é verdadeiramente preocupante. Igualmente o estado das nossas florestas em Portugal dói-me bastante. Do Gerês até ao Montado Alentejano é ver espécies invasoras contiguarem a florescer enquanto as nossas matas originais vão desaparecendo. Por exemplo, no Gerês aqui há uns anos reparei que extensos hectares de floresta tinham sido substituídos por Acácias Africanas depois dos incêndios, e no solo junto às mesmas não havia uma única planta que fosse. Enquanto o bosque de Carvalho era luxuriante de vida. E assim vamos perdendo Portugal aos poucos..há que lutar, mas é dificil!
    Blog muito interessante. Adicionei-o à minha lista de Blogs, eu estudei Biologia...mas adorava ter feito Arquitectura Paisagista!
    Jaime

    ResponderEliminar
  2. Onde anda você que há tanto tempo não aparece??
    Quanto ás florestas é lamentável o que se passa, na minha zona para além das acácias vêm-se muitos eucaliptos, não sei o que aconteceu aos pinhais, mas emfim hoje só se pensa no lucro...
    " Nós não herdámos a terra. Tomámo-la emprestada dos nossos filhos"
    Bjs eugénia

    ResponderEliminar
  3. Olá trata-se a 3ª vez que encontrei o teu blog e adorei imenso!Espectacular Trabalho!
    Até à próxima

    ResponderEliminar